Connect with us

ARQUIBANCADA

Vasco emite nota contra arbitragem e VAR do jogo contra o Brasil de Pelotas

Cruzmaltino teve um gol anulado por impedimento, mas o VAR não conseguiu traçar a linha; Vasco vai pedir a anulação da partida contra o Brasil-RS e a exclusão do VAR da Série B

Published

on

O empate entre Vasco e Brasil de Pelotas pela Série B, na noite desta sexta-feira (4), ainda está dando o que falar. Com um gol anulado por impedimento, onde o VAR não funcionou, o Cruzmaltino emitiu uma nota oficial contra a arbitragem e a ferramenta. O clube reclama ainda de um pênalti não marcado em Leo Matos.

Além das reclamações sobre a partida, o Vasco também não gostou da decisão da CBF de implementar o uso do árbitro de vídeo a partir do segundo turno da Série B e afirmou que o uso da ferramenta é feito de forma ‘irresponsável e inconsequente’.

Diante disso, o time da Colina prometeu ir à CBF na próxima segunda-feira (6), e solicitar a exclusão do VAR na Série B.

Na próxima segunda-feira (06/09), representantes do Clube irão até a sede da CBF para protestar contra as inúmeras interferências da arbitragem em partidas do Vasco da Gama, bem como solicitar a exclusão do VAR na Série B.”

Advertisement

Confira a nota oficial completa:

Na noite da última sexta-feira (03/09), a (cada vez mais) questionável arbitragem brasileira intercedeu diretamente no resultado de uma partida do Club de Regatas Vasco da Gama. Mais uma vez. Presenciamos um novo episódio de erros grotescos do VAR, que definiu o resultado do jogo, as posições na tabela de competição e os rumos do campeonato.

Um impedimento inexistente, com distância suficiente para não haver qualquer dúvida no lance do gol do atleta Daniel Amorim, e uma penalidade a favor do atleta Leo Matos, marcada e depois retirada pelo árbitro, o Sr. Alisson Sidnei Furtado, após consulta à tecnologia que teoricamente tem por objetivo otimizar o trabalho dos profissionais em campo, operada pelo árbitro de vídeo, o Sr. Gilberto Rodrigues Castro Junior, mudaram o placar do que seria a vitória do Vasco da Gama sobre o Brasil-RS, em São Januário, pela 22ª rodada do Campeonato Brasileiro da Série B.

Em fevereiro de 2021, pelo Campeonato Brasileiro de 2020, o Vasco já havia sido prejudicado pelo VAR e suas “linhas descalibradas”, no duelo contra o Internacional, em São Januário. A justificativa na ocasião foi “o baixo ângulo das câmeras, em conjunto com a sombra se movendo no campo”. Passados cerca de sete meses desse lamentável episódio, que também interferiu no resultado dentro de campo e poderia ter, inclusive, mudado a posição do Vasco na tabela, evitando o rebaixamento, qual a justificativa para a ausência das linhas de impedimento do VAR novamente? Sete meses depois, as linhas continuam “descalibradas”? Por que, então, a arbitragem não seguiu protocolo da Comissão de Arbitragem e informou aos capitães dos times a ausência da tecnologia? E no jogo contra o São Paulo, pela Copa do Brasil? Por que não temos, até agora, resposta sobre o pênalti não marcado à favor do Vasco e demais erros gritantes?

A CBF decidiu, de forma extemporânea e injustificada, passar a utilizar o VAR a partir do returno do Campeonato Brasileiro da Série B 2021, literalmente no meio do campeonato. O mais inacreditável e desrespeitoso com os clubes que participam da competição, e com suas torcidas, foi a opção da CBF por uma versão “genérica” do já péssimo VAR, com menos câmeras e recursos tecnológicos. O que já era muito ruim, ficou ainda pior e mais injusto, como demonstrado pelos absurdos ocorridos no jogo de ontem em São Januário. No site da CBF, em comunicado oficial sobre o início da utilização do VAR no returno da Série B, uma nota da assessoria de imprensa diz que “os primeiros jogos do returno da competição terão a ferramenta à disposição das equipes de arbitragem, para auxiliar e dar mais precisão e justiça à disputa”. Às pressas, a CBF instituiu o VAR para o returno, já sabendo que a falta de estrutura técnica ocasionaria problemas.

Advertisement

Na Série A, os jogos acontecem com um mínimo de nove câmeras, o que permite minimamente que haja, quase sempre, uma câmera que possibilite a marcação da linha de impedimento (quando não existem, obviamente, os corriqueiros “problemas técnicos”). Ontem, a partida foi operacionalizada com apenas cinco câmeras – como são em quase todos os jogos da Série B – e, no lance do gol legal de Daniel Amorim, não existia nenhuma câmera que permitisse a marcação da linha no pé do atleta. Se existisse, por exemplo, a tradicional câmera atrás do gol – que ontem não existia – a marcação poderia ser ainda mais facilmente realizada.

Isso evidencia que a utilização do VAR, errática mesmo com a máxima estrutura disponível, sem estrutura mínima necessária na Série B, é irresponsável e inconsequente.

Mesmo com todo o investimento destinado pela Confederação Brasileira de Futebol à Comissão de Arbitragem, não há “precisão e justiça à disputa” com o VAR operado desta forma no Brasil. Nem tampouco com a competência de muitos dos árbitros escalados para os jogos. Como o árbitro de ontem, que interpretou um pênalti com convicção e, sem convicção, foi convencido pelo VAR que a interpretação deste último é que estava correta, bem como a inutilidade do VAR, cujo funcionamento é de responsabilidade da CBF.

Na próxima segunda-feira (06/09), representantes do Clube irão até a sede da CBF para protestar contra as inúmeras interferências da arbitragem em partidas do Vasco da Gama, bem como solicitar a exclusão do VAR na Série B. Se o auxílio em vídeo está operando com a quantidade menor de profissionais e estrutura nesse campeonato, como afirmou anteriormente a Comissão Nacional de Arbitragem, e a consequente diminuição na precisão do recurso tecnológico é frequente, não faz sentido operar de uma forma geral. Os atentados continuados contra o fair play e a lisura da competição tem que cessar imediatamente, até que se tenha segurança nos procedimentos e tecnologia adotados. Não podemos permitir que a irresponsabilidade e inconsequência destes que autorizam o VAR a operar dessa forma, atinja os interesses do nosso Clube e a credibilidade da competição.

O Vasco da Gama, já há algum tempo, clama por uma profunda revisão de todo o processo de arbitragem no país. A verdade é que a CBF e sua Comissão de Arbitragem conseguiram inovar e criar um VAR que só existe no Brasil, onde os árbitros de campo são os auxiliares dos árbitros de vídeo, e não o contrário. O protagonismo precisa voltar a ser do futebol, e não dos árbitros, como tem sido em todas as divisões de competições da CBF. Os erros não são isolados. As falhas estão cada vez mais frequentes. Providências precisam ser tomadas, de forma urgente.

Advertisement

O Clube também ingressará no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) com um pedido de impugnação da partida CR Vasco da Gama x Grêmio Esportivo Brasil, realizada na última sexta-feira, no estádio de São Januário, no Rio de Janeiro, por infrações gravíssimas às regras do jogo que foram determinantes para macular o seu resultado.

O Vasco da Gama espera que a entidade máxima do futebol brasileiro e a Justiça Desportiva atuem de forma efetiva e imediata para evitar que fatos como os aqui relatados voltem a ocorrer, para o bem de nosso futebol.

ARQUIBANCADA

Everton Cebolinha no Flamengo?

Published

on

O Flamengo ainda não concluiu a venda de Michael para o Al Hilal, da Arábia Saudita, mas já tem um possível alvo para substituí-lo. Segundo o jornal português “A Bola”, o Rubro-Negro sondou o Benfica para saber as condições para contratar o atacante Everton Cebolinha, ex-Grêmio e nome frequente na Seleção Brasileira.

Mesmo sem conseguir brilhar na Europa em sua primeira temporada, o jogador de 25 anos é alvo de pelo menos mais três equipes: os brasileiros Palmeiras e Atlético-MG e o italiano Napoli, que busca um substituto para Lorenzo Insigne. Sua saída é considerada provável pela diretoria portuguesa ao fim da temporada, no meio do ano.

Continue Reading

ARQUIBANCADA

Flamengo realiza melhorias no estádio da Portuguesa, onde mandará seus jogos no Carioca

Published

on

Marcos Braz anunciou no último dia 10, e o Flamengo confirmou à Ferj que mandará seus jogos válidos pelo Campeonato Carioca no Estádio Luso Brasileiro, da Portuguesa, na Ilha do Governador. O clube da Gávea já iniciou uma série de melhorias local, e há grande expectativa de que o gramado fique um tapete para a estreia rubro-negra no estadual, justamente contra a dona da casa, no próximo dia 26, às 21h35 (de Brasília).

Os jogos terão público máximo de 5.044 presentes, e o ingresso mínimo para partidas com pequenos é de R$ 40. Ficou definido também que o Flamengo não poderá mandar clássicos no local. Apesar de já acordado e comunicado à Ferj, o acerto entre os clubes ainda não foi formalizado, o que acontecerá antes do início do estadual. O contrato terá validade até maio.

Presidente da Portuguesa, Marcelo Barros comemorou a parceria com Flamengo e Fluminense, que também mandará seus jogos na Ilha do Governador. Barros lembrou que o gramado já havia sido elogiado no Jogo das Estrelas, evento realizado por Zico em dezembro, e se disse convicto de que o cenário na próxima semana será ainda mais animador.

– Essa parceria já está acertada há mais ou menos uma semana e meia. Ficamos sempre felizes quando conseguimos acolher o futebol carioca aqui, numa praça bastante experimentada. E que comprovadamente pode receber esses eventos. Receber Flamengo e Fluminense é uma satisfação imensa. Cada vez que o tempo passa, a gente vem melhorando nosso estádio e as condições para o nosso torcedor. Estamos colocando a cereja do bolo no gramado agora. Já estava muito bom, e o Flamengo está melhorando ainda mais o gramado – explicou Barros.

Advertisement

O Flamengo começou a manutenção do Luso Brasileiro na semana passada. Pôs à disposição uma vertical (máquina) para igualar a grama e retirar tufos excedentes. Perfurou o gramado para fertilização e colocação de adubo, além disso realizou o “top dressing”, operação onde é aplicada uma mistura de areia lavada com substrato para regularizar a superfície. Trata-se de uma forração com areia para evitar buracos e igualar o campo.

O Rubro-Negro vem realizando a pintura das cadeiras que ficam na Social, única arquibancada disponível para o Carioca – está vedada, por ora, a colocação de tubulares para expandir a capacidade. Melhoras também vêm sendo feitas no vestiário. Estas, porém, fazem parte de uma manutenção simples, como a recolocação de um piso ou acerto de chuveiros, por exemplo.

– A princípio Taça Guanabara será toda disputada aqui (por Flamengo e Fluminense), mas é provável que o campeonato inteiro seja com as duas equipes aqui. Nosso sonho é fazer aquela arquibancada do outro lado, aumentar para 15 mil pessoas e ter jogos maiores. Só podemos ter jogos menores até então. Fiz o mínimo do mínimo para poder ser feito (o acordo). Fizemos o máximo possível para acolher as equipes. Claro que qualquer dinheiro na atual conjuntura ajuda significativamente os clubes de menor investimento, sabemos o que estamos passando. Ajuda no pagamento de folha e outras questões, o que é importante – completou Marcelo Barros, sem comentar os valores envolvidos no acordo.

Se o Flamengo fez ajustes, a Portuguesa também se mexeu antes do início do Carioca. Realizou melhoria na iluminação e inaugurou uma entrada lateral exclusiva para o acesso da torcida visitante, que acontecerá pela Rua Joaquim José Gonçalves. No local, a Lusa colocou uma rampa, e a novidade já foi aprovada pelo Grupamento Especial de Policiamento nos Estádios (Gepe).

O Flamengo indicou à federação que mandará no Luso Brasileiro os jogos contra Portuguesa (26/01, às 21h35, pela 1ª rodada), Boavista (02/02, 18h, 3ªrodada), Nova Iguaçu (ainda sem data e horário definidos – 6ª rodada) e Resende (também sem data e horário definidos – 9ª rodada).

Advertisement

Processo contra o Flamengo não inviabiliza acerto
Em outubro de 2019, a Portuguesa moveu processo contra o Flamengo pela não retirada de torres de iluminação que caíram no gramado do Luso Brasileiro em fevereiro de 2018. O acidente aconteceu em período no qual o Fla geria o estádio, que havia rebatizado como Ilha do Urubu. A ação cobra indenização de R$ 148.500 e mais uma multa diária de R$ 500 a partir de 1º de outubro de 2019 pelo não cumprimento da determinação. Os valores atualizados indicam uma dívida R$ 568 mil.

A Portuguesa, porém, conversa e busca solução amigável para resolver essa questão. Com isso, apesar da diferença jurídica, o Estádio Luso Brasileiro não está mais pintado de vermelho e preto, porém volta a servir de casa aos garotos e marmanjos do Ninho do Urubu.

Continue Reading

ARQUIBANCADA

Flamengo acerta renovação de Arrascaeta até 2026

Published

on

O Flamengo anunciou, nesta terça-feira (18), a renovação de contrato do meio-campista uruguaio Giorgian De Arrascaeta até 2026.

O contrato anterior do atleta venceria em dezembro de 2023.

“Se queda! Agora é oficial! Arrascaeta renovou o contrato com o Mengão até dezembro de 2026. Pode comemorar, Nação!”, escreveu o perfil do Flamengo no Twitter.

No último dia 12, o uruguaio completou três anos vestindo a camisa rubro-negra. Pelo Flamengo, Arrascaeta foi campeão da Libertadores em 2019, e do Campeonato Brasileiro em 2019 e 2020, além de títulos da Supercopa (2020, 2021), Recopa (2020) e Campeonato Carioca (2019, 2020, 2021).

Advertisement

Os flamenguistas já estavam na expectativa do anúncio da renovação.

Continue Reading

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

%d blogueiros gostam disto: