Connect with us

Católicos em Ação

Retorno de padre Robson é ovacionado nas redes

Published

on

Apesar do histórico marcado por investigação sobre suposto desvio de R$ 120 milhões de dinheiro proveniente de doação de fiéis e até pedido de prisão por parte da Polícia Federal, o padre Robson de Oliveira Pereira, de 47 anos, recebeu amplo apoio nas manifestações em posts que quebraram o silêncio de 16 meses nas redes sociais.

Com críticas veladas às investigações do Ministério Público do Estado de Goiás (MPGO) e da Polícia Federal (PF), o padre reapareceu nas redes sociais, no domingo (19/12). Ele publicou mensagem de “benção” cinco dias depois de a Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) manter decisão do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJGO) que mandou arquivar as investigações. Cabe recurso.

Reservado
Para evitar ainda mais desgaste de sua imagem, padre Robson se manteve reservado, em paradeiro não divulgado, assim que o MPGO deflagrou a Operação Vendilhões, em agosto de 2020. Logo em seguida, ele foi afastado, pela Igreja, do Santuário Basílica de Trindade, do qual era representante, e proibido de realizar missas. Também foi proibido de dar entrevistas e fazer postagens nas redes sociais até agosto deste ano.

Advertisement

O MPGO ainda tentará recorrer da mais recente decisão do STJ, mas a defesa já pediu à Corte superior para certificar o trânsito em julgado, que é o encerramento das possibilidades de recurso, com arquivamento definitivo das investigações.

Padre Robson é uma celebridade e chegou a ter o quinto álbum musical mais vendido do Brasil em 2011. Ele também teve uma carreira de apresentador, o que o permitiu criar sua própria rede de televisão, a TV Pai Eterno.

Afipe
Padre Robson é investigado por suspeita de desviar recursos doados por fiéis para Associação Filhos do Pai Eterno (Afipe), que ele presidiu até ser afastado do cargo após o início da operação do MPGO. O dinheiro deveria ser destinado à construção do novo Santuário Basílica de Trindade, na cidade conhecida como a capital da fé em Goiás, na região metropolitana de Goiânia.

O local é conhecido nacionalmente por atrair milhares de pessoas por ano, em especial durante a Festa do Divino Pai Eterno, comemorada entre o final de junho e início de julho. Apesar de ser tradição do século 19, padre Robson foi, durante anos, figura central da festividade e responsável por impulsioná-la. Ele também foi marcante para criar uma estrutura potente para a Igreja Católica no município.

A Afipe, na época em que foi presidida pelo padre, era responsável por administrar cerca de R$ 2 bilhões recebidos para a construção do novo Santuário Basílica de Trindade, segundo o MPGO. O Ministério Público estadual investigou o religioso por falsidade ideológica, corrupção de policiais, lavagem de dinheiro, apropriação indébita e crimes tributários, entre outros.

Advertisement

Além disso, o padre Robson e mais cinco pessoas também foram alvos de pedido de prisão solicitado pela Polícia Federal em novembro. Segundo a defesa, não houve decisão sobre essa solicitação.

O processo judicial que teria tido uma decisão comprada pelo padre Robson de Oliveira Pereira, a principal razão do pedido de prisão feito pela PF, segue tramitando no Judiciário goiano, em duas instâncias.

Propina
O religioso é investigado por supostamente ter pagado R$ 750 mil como propina para três magistrados do TJGO para que uma decisão proferida em novembro de 2019 fosse favorável à entidade presidida por ele na época, a Afipe.

O TJGO disse que não tem conhecimento sobre o pedido da Polícia Federal e, por essa razão, não se pronunciará sobre o assunto. Além disso, não divulgou detalhes da sindicância que instaurou, no início do ano, para investigar possível propina a magistrados.

A Associação dos Magistrados do Estado de Goiás (Asmego) informou que a sindicância instaurada pelo TJGO, a pedido dos próprios magistrados, já foi concluída. Segundo a entidade, a investigação não constatou nenhuma irregularidade.

Advertisement

Continue Reading
Click to comment

You must be logged in to post a comment Login

Católicos em Ação

A visita inesperada de Francisco a uma loja de discos no centro de Roma

O Papa era um antigo cliente da loja “Stereosound”, que fica perto do Panteão, no centro histórico da capital italiana. Durante 10 minutos, saudou a proprietária e abençoou o local, que foi recentemente reformado. E saiu de lá com um presente!

Published

on

Por volta das 19h locais, o Papa Francisco fez uma visita-surpresa a uma loja de discos localizada no centro de Roma, perto do Panteão.

Não se tratou de uma saída “aleatória” do Vaticano, pois o Pontífice era um antigo cliente do local, já que o frequentava quando ainda era arcebispo de Buenos Aires. Toda vez que vinha à capital italiana, Jorge Mario Bergoglio se hospedava próximo a “Stereosound”.

Entre discos de vinil de Maria Callas e Pink Floyd, Francisco abençoou a loja, que foi recentemente reformada. Tudo isso em cerca de 10 minutos, na presença também da filha e do genro da dona da loja, a senhora Letícia.

Ao sair, ganhou de presente um disco de música clássica. Todavia, a proprietária preferiu não fazer declarações e fechou a loja diante da multidão que se formou naquele momento. Letícia simplesmente afirmou que o Papa é “um cliente antigo” e que a visita desta terça-feira foi “belíssima” e “repleta de humanidade”.

Advertisement

As “surpresas” de Francisco

Não é a primeira vez que o Papa faz esse tipo de “surpresa”. Em 4 de setembro de 2015, foi a uma ótica, também no centro histórico de Roma, para trocar a armação de seus óculos. Em 21 de dezembro de 2016, o motivo foi ortopédico e a loja escolhida ficava desta vez mais próxima ao Vaticano.

Continue Reading

Católicos em Ação

Papa: cães e gatos ocupam o lugar dos filhos hoje

Published

on

Em sua catequese semanal, o Papa falou sobre a figura de São José e a importância do vínculo de amor paterno

“Muitos casais não têm filhos porque não querem, ou têm só um porque não querem outros, mas têm dois cães, dois gatos… Pois é, cães e gatos ocupam o lugar dos filhos. Sim, faz rir, entendo, mas é a realidade”, disse hoje o Papa Francisco.

Em sua catequese com os peregrinos na Sala Paulo VI, no Vaticano, o Papa falou sobre a figura de São José como pai adotivo de Jesus.

Segundo o Papa, pensar na paternidade hoje é algo “muito importante”.

Vivemos numa época de notável orfandade. É curioso: a nossa civilização é um pouco órfã, e sente-se esta orfandade. Ajude-nos a figura de São José a entender como se resolve o sentido de orfandade que hoje nos faz tanto mal.

Não se nasce pai
De fato, o Papa Francisco afirmou que não é suficiente pôr um filho no mundo para dizer que também somos pais ou mães.

Advertisement

Não se nasce pai, torna-se tal… E não se torna pai, apenas porque se colocou no mundo um filho, mas porque se cuida responsavelmente dele. Sempre que alguém assume a responsabilidade pela vida de outrem, em certo sentido exerce a paternidade a seu respeito.

Em seguida, o Papa afirmou que pensava, em particular, “em todos aqueles que se abrem a acolher a vida através da adoção, que é uma atitude tão generosa e positiva”.

José mostra-nos que este tipo de vínculo não é secundário, não é uma alternativa. Este tipo de escolha está entre as formas mais elevadas de amor e de paternidade e maternidade. Quantas crianças no mundo estão à espera de alguém que cuide delas! E quantos cônjuges desejam ser pais e mães, mas não o conseguem por razões biológicas; ou, embora já tenham filhos, querem partilhar o afeto familiar com quantos não o têm. Não devemos ter medo de escolher o caminho da adoção, de assumir o “risco” do acolhimento.

Egoísmo
Nesse sentido, Francisco afirmou que hoje, “também, com a orfandade, existe um determinado egoísmo”.

Há dias, falei sobre o inverno demográfico que há atualmente: as pessoas não querem ter filhos, ou apenas um e nada mais. E muitos casais não têm filhos porque não querem, ou têm só um porque não querem outros, mas têm dois cães, dois gatos… Pois é, cães e gatos ocupam o lugar dos filhos. Sim, faz rir, entendo, mas é a realidade. E esta negação da paternidade e da maternidade diminui-nos, cancela a nossa humanidade. E assim a civilização torna-se mais velha e sem humanidade, porque se perde a riqueza da paternidade e da maternidade. E a Pátria que não tem filhos sofre e – como dizia alguém um pouco humoristicamente – “e agora quem pagará os impostos para a minha reforma, que não há filhos? Quem se ocupará de mim?”: ria, mas é a verdade.

Advertisement

Plenitude da vida

Então o Papa pediu a São José “a graça de despertar as consciências e pensar nisto: em ter filhos”.

A paternidade e a maternidade são a plenitude da vida de uma pessoa. Pensai nisto. É verdade, existe a paternidade espiritual e a maternidade espiritual para quem se consagra a Deus; mas quem vive no mundo e se casa, deve pensar em ter filhos, em dar a vida, pois serão eles que lhes fecharão os olhos, que pensarão no seu futuro. E também, se não podeis ter filhos, pensai na adoção. É um risco, sim: ter um filho é sempre um risco, quer natural quer adotivo. Mas pior é não os ter, é negar a paternidade, negar a maternidade, tanto a real como a espiritual. A um homem e a uma mulher que voluntariamente não desenvolvem o sentido da paternidade e da maternidade, falta algo principal, importante. Pensai nisto, por favor.

O Papa disse esperar que as instituições “estejam sempre prontas a ajudar neste sentido da adoção”.

Controlando seriamente, mas também simplificando o procedimento necessário para que se realize o sonho de tantos pequeninos que precisam de uma família, e de tantos cônjuges que desejam entregar-se com amor.

Advertisement

Rezo para que ninguém se sinta sem um vínculo de amor paterno. E quantos estão doentes de orfandade continuem em frente sem este sentimento tão negativo. Possa São José exercer a sua proteção e a sua ajuda sobre os órfãos; e que interceda pelos casais que desejam ter um filho.

Continue Reading

Católicos em Ação

Papa pede paz e condena violência contra a mulher

Published

on

O papa Francisco exortou, neste sábado (1º/12), o mundo a “arregaçar as mangas” pela paz em sua mensagem de Ano Novo, na qual pediu aos fiéis que sejam positivos e trabalhem para construir uma sociedade melhor.

Na ocasião do 55º Dia Mundial da Paz, o líder dos 1,3 bilhão de católicos do mundo dedicou seu discurso do Angelus a encorajar o fim da violência e disse à multidão reunida na Praça de São Pedro para manter a paz em seus pensamentos.

“Vamos voltar para casa pensando em paz, paz, paz. Precisamos de paz”, disse o papa após a oração do Angelus.

Sob um céu ensolarado, Francisco, que completou 85 anos no dia 17 de dezembro, lembrou aos fiéis que a paz exige “gestos concretos”, como perdoar os outros e promover a justiça.

Advertisement

“E também precisa de um olhar positivo: que olhemos sempre, na Igreja como na sociedade, não o mal que nos divide, mas o bem que pode nos unir!”, disse da janela do Palácio Apostólico.

“Não adianta se abater e reclamar, mas arregaçar as mangas para construir a paz”, declarou.

Mais cedo, durante a missa na Basílica de São Pedro em homenagem à Virgem Maria, Francisco fez uma homilia na qual chamou a violência contra as mulheres de um insulto a Deus.

“A Igreja é mãe, a Igreja é mulher”, estimou. “Enquanto as mães dão vida e as mulheres salvam o mundo, devemos todos trabalhar para promover as mães e proteger as mulheres”, declarou.

“Quanta violência existe contra a mulher! Chega! Machucar uma mulher é ultrajar a Deus, que tirou a humanidade de uma mulher”, assegurou.

Advertisement

Em mensagem divulgada em 21 de dezembro pelo Vaticano por ocasião do Dia Mundial da Paz, o papa recomendou “três caminhos para construir uma paz duradoura”, o diálogo entre as gerações, a educação e o trabalho, “essenciais para a elaboração de um pacto social, sem o qual qualquer projeto de paz é inconsistente”.

O texto sublinhava que o orçamento destinado à educação foi reduzido “sensivelmente” nestes últimos anos no mundo ao contrário dos gastos militares que ultrapassaram “o nível do fim da guerra fria”.

O papa retomou estes temas neste sábado após o Angelus, referindo-se aos “tempos incertos e difíceis devido à pandemia”.

“São muitos os que têm medo do futuro e estão sobrecarregados com as situações sociais, os problemas pessoais, os perigos da crise ecológica, as injustiças e os desequilíbrios da economia planetária”, afirmou.

“Ao olhar para Maria com seu filho nos braços, penso em jovens mães e seus filhos que estão fugindo das guerras e da fome ou que estão esperando em campos de refugiados”.

Advertisement

Na véspera do Ano Novo, Francisco não presidiu as Vésperas na Basílica de São Pedro, conforme programado, e, em vez disso, cedeu o serviço ao decano do Colégio Cardinalício, Giovanni Battista Re.

Continue Reading

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

%d blogueiros gostam disto: