Estado

Prefeitura do Rio e MP começam a demolir casas construídas em área de proteção ambiental

Imagem redes sociais

O Ministério Público do Estado do Rio (MPRJ) e a Secretaria Municipal de Meio Ambiente realizam, nesta quinta-feira (4), uma operação para demolir construções de alto padrão construídas ilegalmente em Barra de Guaratiba, na Zona Oeste. Erguido na Estrada Roberto Burle Max, 5.911, o condomínio está inserido na APA (Área de Proteção Ambiental) da orla da Baía de Sepetiba e do Parque Estadual da Pedra Branca.

Há quatro anos, a prefeitura havia realizado uma primeira ação de demolição, mas novos imóveis foram construídos na região. A operação conta com apoio da PM e de agentes da Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA).

Segundo as investigações da Força-Tarefa do Grupo de Atuação Especializada no Combate ao Crime Organizado para enfrentamento à ocupação irregular do solo urbano (GAECO/FT-OIS) do Ministério Público, o responsável pelo condomínio Cantos das Palmeiras vem ignorando, desde 2014, vários embargos, advertências, notificações e multas, além de ter sido conduzido e qualificado na 42º DP (Recreio dos Bandeirantes) por crimes ambientais como desmatamento, terraplanagem, loteamento ilegal e furto d’água do Parque Estadual da Pedra Branca.

Há quatro anos, a Prefeitura fez uma grande operação e demoliu toda a infraestrutura do loteamento, como o portão principal, quadro de luz, a guarita do loteamento, além da retirada de meio-fio e abertura de buracos na via interna para dificultar a entrada de veículos. No entanto, o responsável continuou com a prática da exploração imobiliária ilegal de áreas públicas e privadas, estando essa região com um histórico de desmatamento de floresta em favorecimento de um crescimento imobiliário desordenado.

As ações da força-tarefa buscam conter o desmatamento de áreas ambientalmente protegidas e retirar dos grupos criminosos sua fonte de renda. Cerca de um ano atrás, foram realizadas outras três ações idênticas a desta quinta-feira contra imóveis levantados dentro do Parque Estadual da Pedra Branca: uma em Campo Grande e duas em Senador Camará, também bairros da Zona Oeste. Essas últimas, investigações apontavam que a milícia era responsável por um dos empreendimentos, enquanto o outro era construído dentro de área comandada pelo tráfico local.

Publicações do autor

RÁDIO JN

ESTÚDIO AO VIVO

Veja as câmeras de monitoramento de Niterói

Não foi possível carregar as informações sobre o blog no momento.

Siga-me no Twitter

%d blogueiros gostam disto: