Connect with us

Olimpíadas

Olimpíada: Time Brasil já tem 140 atletas treinando no Japão

Published

on

A oito dias da Cerimônia de Abertura da Olimpíada, o Time Brasil (delegação brasileira para o megaevento esportivo) já tem 140 atletas de 11 modalidades espalhados pelo território japonês. O grupo ocupa atualmente quatro das oito bases exclusivas do Comitê Olímpico do Brasil e uma vila satélite, com estrutura completa.

O cavaleiro João Victor Marcari Oliva foi o primeiro atleta brasileiro a entrar na Vila Olímpica em Tóquio, na noite desta quinta-feira (15) (manhã no horário de Brasília).

Nesta quinta-feira também desembarcaram na terra dos Jogos Olímpicos três atletas de taekwondo que ficam em Ota, localizada a aproximadamente 14 quilômetros da capital, e sete do judô, que seguiram para Hamamatsu, uma viagem de 250 quilômetros.

A base brasileira em Ota é a que concentra o maior número de atletas. Estão no local as equipes feminina e masculina de handebol, o boxe, as duplas de vôlei de praia e a seleção masculina de vôlei. Em Hamamatsu já estão o judô e o tênis de mesa. Em Nagato, que fica a mais de 780 quilômetros de Tóquio, está o rugby. E em Enoshima, a 75 quilômetros da principal cidade japonesa, ficam os representantes da vela. Os atletas de canoagem slalom, que teve em Ana Sátila a primeira atleta do país a chegar em Tóquio para os Jogos, estão treinando na cidade.

Sagamihara, que fica nas redondezas de Tóquio (aproximadamente 50 quilômetros), também já está bem agitada. Dez atletas da natação chegaram na última terça-feira (13). Um dia depois a seleção feminina de vôlei começou a treinar por lá.

Advertisement

O Time Brasil terá uma delegação recorde no Japão: 302 atletas, em 35 modalidades. Os maiores números da história do país em uma edição realizada no exterior, sendo 31 medalhistas e 18 campeões olímpicos.

Destaque

Jogos Paralímpicos de Tóquio começam nesta terça

Published

on

Começam nesta terça-feira (24) os Jogos Paralímpicos de Tóquio. Serão 13 dias em que atletas do mundo inteiro disputarão medalhas em 22 modalidades. Entre as estrelas do esporte paralímpico, estarão no Japão as nadadoras norte-americanas Jessica Long e McKenzie Coan e o alemão Markus Rehm, do salto em distância.

Estarão em ação a seleção australiana de rugby em cadeira de rodas, atual campeã paralímpica, e a até agora imbatível seleção brasileira de futebol de 5, quatro vezes medalhista de ouro. Só os brasileiros subiram no lugar mais alto do pódio desde a introdução da modalidade no programa paralímpico, em 2004.

Também participa, é claro, o brasileiro Daniel Dias, o maior medalhista paralímpico da história, com 24 medalhas em três jogos. Dessas, 14 de ouro, sete de prata e três de bronze. “Minha motivação é estar apto a ser melhor o tempo todo e mostrar que posso ir além, ter melhores marcas”, disse o nadador ao site oficial dos Jogos.

Refugiados

Assim como nos Jogos Olímpicos, os Paralímpicos trazem um time de atletas refugiados. Eles representam milhões de pessoas que se viram obrigadas a deixar seus países fugindo de conflitos, guerras, perseguições ou pobreza extrema.

O time de refugiados é composto por seis atletas: Parfait Hakizimana, atleta de taekwondo nascido no Burundi; Ibrahim Al Hussein, nadador nascido na Síria; Shahrad Nasajpour, do arremesso de disco, nascido no Irã; Alia Issa, atleta do arremesso de peso nascida na Grécia, mas filha de refugiados sírios; e Anas Al Khalifa, canoísta nascido na Síria.

Advertisement

Brasil

Não é só de Daniel Dias que o Brasil viverá em Tóquio daqui até o dia 5 de setembro. A delegação brasileira será composta por 259 atletas. São 163 homens e 96 mulheres. Entre elas e eles estão atletas sem deficiência como guias, calheiros, goleiros e timoneiro. Eles são os olhos, ouvidos e mãos dos paratletas.

Nunca uma missão brasileira em Jogos Paralímpicos no exterior foi tão grande. A modalidade com o maior número de atletas é o atletismo, com 65 representantes e 19 atletas-guia. Em seguida, a natação com 36 atletas. O Brasil estará representado em 20 das 22 modalidades: atletismo, bocha, canoagem, ciclismo, esgrima em cadeira de rodas, futebol de 5, goalball, halterofilismo, hipismo, judô, natação, parabadminton, parataekwondo, remo, tênis de mesa, tênis em cadeira de rodas, tiro com arco, tiro esportivo e vôlei sentado.

O Brasil conquistou 301 medalhas na história dos jogos. Dessas, 87 são medalhas de ouro. O Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) confia que o país chegue à centésima medalha de ouro ainda nesta edição. Faltam 13 para alcançar a meta. Nos jogos do Rio, em 2016, o Brasil levou 14 ouros para casa.

A delegação brasileira se preparou para os jogos no Centro de Treinamento Paralímpico, em São Paulo. O CPB adotou o “formato bolha”, com as seleções brasileiras preparando nesse local seus atletas, obedecendo, segundo o CPB, rígidos protocolos de saúde de segurança. Em maio deste ano, o Brasil recebeu a doação do Comitê Olímpico Internacional (COI) de vacinas da Pfizer e da Coronavac para aplicação em atletas, comissão técnica, estafe, e demais membros da delegação brasileira que seguiria para Tóquio a partir de 5 de agosto.

O Brasil estreia nos jogos amanhã, primeiro dia oficial de competições do evento, com o time de goalball, em partida contra a Lituânia, às 21h (horário de Brasília), na natação, no ciclismo, no tênis de mesa e na esgrima em cadeira de rodas. Na natação, na esgrima em cadeira de rodas e no ciclismo, haverá a disputa de medalhas

Advertisement

Continue Reading

Destaque

Em12.º no quadro de medalhas, Brasil faz a melhor Olimpíada da história

Published

on

O Brasil bateu o recorde de pódios de todos os tempos, igualou o número de ouros da Rio-2016 e fechou em Tóquio sua melhor participação em Jogos Olímpicos. Com sete ouros, seis pratas e oito bronzes, o país terminou a Olimpíada na 12.ª posição no quadro de medalhas, uma acima da conseguida em 2016.

Confira as medalhas conquistadas pelo Brasil nos Jogos Olímpicos de Tóquio:

Ouro

Ítalo Ferreira – Surfe
Rebeca Andrade – Ginástica Artística
Martine Grael e Kahena Kunze – Vela
Ana Marcela Cunha – Maratona Aquática
Isaquias Queiroz – Canoagem velocidade
Hebert Conceição – Boxe
Futebol masculino

Prata

Kelvin Hoefler – Skate Street
Rayssa Leal – Skate Street
Rebeca Andrade – Ginástica Artística
Pedro Barros – Skate Park
Beatriz Ferreira – Boxe
Vôlei feminino

Bronze

Fernando Scheffer – Natação
Bruno Fratus – Natação
Laura Pigossi e Luisa Stefani – Tênis
Thiago Braz – Atletismo
Alison dos Santos – Atletismo
Abner Teixeira – Boxe
Mayra Aguiar – Judô
Daniel Cargnin – Judô

Advertisement

Continue Reading

Destaque

Beatriz Ferreira perde para irlandesa campeã mundial e conquista a prata no boxe

Published

on

Campeã sul-americana, campeã pan-americana, campeã mundial e agora vice-campeã olímpica. Beatriz Ferreira (60kg) encerrou neste domingo, 8, um ciclo praticamente perfeito. A derrota por unanimidade para a Kellie Anne Harrington (Irlanda) garantiu ao Brasil a quinta medalha de prata nos Jogos de Tóquio.

A pugilista baiana ainda assegurou ao boxe nacional a melhor campanha olímpica de todos os tempos, com um ouro, uma prata e um bronze. Antes dela, Abner Teixeira havia conquistado o terceiro lugar na categoria até 91kg e Hebert Conceição havia se sagrado campeão entre os boxeadores até 75kg.

Apesar de toda a tensão que cerca uma final olímpica, Bia conseguiu encaixar seus golpes desde o início da luta e mostrar sua superioridade aos árbitros diante da irlandesa, campeã mundial em 2018 e vice em 2016.

A medalha de prata de Beatriz Ferreira é a 8ª da história do Brasil no boxe olímpico. Antes dela, Servílio de Oliveira levou o bronze no México-1968, enquanto Adriana Araújo e Yamaguchi Falcão garantiram o 3º lugar em Londres-2012, além da prata de Esquiva Falcão, também na terra da rainha. Na Rio-2016, Robert Conceição foi o campeão. Em Tóquio-2020, Abner Teixeira ficou com o bronze, enquanto Hebert Conceição foi ao lugar mais alto do pódio de forma emocionante.

Advertisement
Continue Reading

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

%d blogueiros gostam disto: