NITEROIMAIS

Revista Eletrônica de Niterói

HÁ 66 ANOS, EM 24 DE AGOSTO, GETÚLIO VARGAS TIRAVA A PRÓPRIA VIDA COM UM REVÓLVER

Getúlio Vargas suicidou-se com um tiro no peito na madrugada de 24 de agosto de 1954, após ter sido informado de que os Altos Comandos Militares exigiam o seu licenciamento do cargo de presidente da República como condição para a solução da crise política em que seu governo se viu envolvido nos últimos anos .

24 de Agosto de 1954: o suicídio de Getúlio Vargas

Segundo o historiador Marco Antônio Villa, autor de Jango, um Perfil, aos 72 anos Vargas apresentava um certo cansaço e uma indisfarçável solidão. “Durante todo aquele mês de agosto, ele se sentiu abandonado pelos antigos aliados. Com toda a sua história de vida, ele não se submeteria mais à renúncia ou à derrota final do exílio”, diz. Para o presidente, a única forma de impedir a humilhação de uma devassa em sua vida era o suicídio.

Outro ponto pendente é que, vivo, Getúlio, ou pelo menos sua família, teria de enfrentar a Justiça. “A chamada República do Galeão prosseguiria fustigando-o, num processo que talvez culminasse com sua prisão ou a prisão de gente muito próxima a ele”, diz Marco Antônio. De fato, menos de um mês depois da morte do presidente, o IPM que investigava o atentado a Lacerda foi encerrado e o irmão de Getúlio, Benjamim, e o filho, Lutero, inocentados.

Com o suicídio e a comoção nacional que se seguiu, Getúlio transformou seu nome em mito. Não foi uma decisão fácil, mas a percepção que Getúlio tinha de si mesmo, de seu papel histórico, transcendia sua própria existência terrena, de carne e osso.

%d blogueiros gostam disto: