Estado

Governador e Defesa Civil se reúnem com prefeitos de cidades afetadas pelas chuvas

O governador do Rio, Cláudio Castro, e o secretário Estadual de Defesa Civil e comandante-geral do Corpo de Bombeiros RJ, coronel Leandro Monteiro, participaram, na manhã deste domingo, de uma reunião com prefeitos de cidades mais atingidas pelas chuvas no estado. A condição vem sendo monitorada pelo governo desde a última quinta-feira nas regiões Serrana, Norte e Noroeste.

“Estamos em contato permanente com os municípios. Toda a estrutura do Estado está mobilizada para atuar em apoio às cidades afetadas. A Defesa Civil e o Corpo de Bombeiros RJ trabalham incansavelmente para prevenir e minimizar danos causados pelas precipitações. O Centro Estadual de Monitoramento e Alerta de Desastres Naturais (Cemaden-RJ) monitora as condições meteorológicas e os níveis pluviométricos, enviando alertas para as regiões e para a população”, explicou Cláudio Castro.

De acordo com o Governo do Estado, nas últimas 24 horas, o Corpo de Bombeiros foi acionado para mais de 90 ocorrências relacionadas às chuvas no território fluminense, sendo a maioria para cortes de árvores e salvamentos, como de pessoas ilhadas. Até o momento, não há registro de vítimas fatais.

Na Região Norte/Noroeste do Estado, a Secretaria de Estado de Defesa Civil (SEDEC) registou somente na última hora o transbordo dos rios Muriaé, Carangola, Itabapoana e Pomba, causando alagamentos pontuais em Itaperuna, Natividade, Porciúncula, Bom Jesus do Itabapoana, Itaocara, Italva e Laje do Muriaé, Cambuci e Santo Antônio de Pádua.

Agentes estaduais estão visitando a região, neste domingo, para analisar a situação e a necessidade de apoio às prefeituras. Botes do Corpo de Bombeiros foram disponibilizados para transporte de pessoas afetadas pela chuva em Porciúncula.

Sem mudança

Segundo o Cemaden, as chuvas devem continuar intensas no Rio e em demais estados do sudeste devido a atuação de uma Zona de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS). A condição de pancadas intensas e moderadas deve seguir nesta segunda-feira. “Há previsão de acumulados pluviométricos entre 150 mm e 200 mm nas próximas 48 horas para estas áreas”, prevê em nota.

Risco de desastre
A Defesa Civil estadual diz que monitora a possibilidade de ocorrências de desastres hidrológicos e de deslizamentos de terra, principalmente, nas regiões Serrana, Metropolitana, Baixada Fluminense, Baixada Litorânea, Norte e Noroeste.

Em nota do Cemaden, o risco de deslizamentos na Região Serrana, em especial para o município de Petrópolis é muito alto. Na cidade, os índices pluviométricos ultrapassaram 103 mm em 24 horas e 300 mm em 96 horas. Também há aviso de risco alto para Teresópolis, que alcançou aproximadamente 150 mm de chuvas em 48 horas.

As cidades de Duque de Caxias, Magé, Guapimirim, Silva Jardim e Rio Bonito, Angra dos Reis e Cachoeiras de Macacu, também tem risco alto de deslizamento. Nas demais localidades, o risco é considerado moderado.

Risco de alagamentos e enxurradas

Segundo os órgãos de monitoramento, os acumulados pluviométricos registrados, nas últimas 48h, em Minas Gerais e no Rio de Janeiro, exigem atenção para as bacias hidrográficas dos rios Paraíba do Sul, Muriaé, Pomba e Itabapoana, que impactam diretamente a região Norte e Noroeste do estado do Rio de Janeiro.

“Podem ser registradas ocorrências de pontos de alagamentos, há alta possibilidade de enxurradas e de inundações, atingindo comunidades em áreas de risco hidrológico ou isolamento de bairros e comunidades em áreas mais baixas”, pontuou a pasta em nota.

Para os moradores nas regiões afetadas, o Governo do Estado divulga uma série de dicas que podem minimizar os riscos:

– Verificar se há atualizações de avisos ou recomendações vigentes de proteção e defesa civil para seu município com as autoridades locais;

– Montar kit com itens pessoais básicos, documentos, receitas médicas, medicamentos de uso contínuo, cartão do SUS, entre outros:
– Verificar os locais que servirão de abrigo/ponto de apoio;

– Em caso de emergência, entrar em contato com o Corpo de Bombeiros (193) ou com a Defesa Civil local (199).

Nas questões de riscos hidrológicos:

– Manter um membro da família vigilante ao nível de subida das águas, mesmo à noite;

– Se o nível da água subir e houver risco de alagar a residência, retirar aparelhos eletrônicos das tomadas, fechar o gás, registros de água e recolher animais;

– Procurar áreas seguras, mais altas e distantes do rio, mesmo que isso envolva abandonar a casa ou o carro;

– Em vias alagadas, não forçar o deslocamento a pé ou de carro. Esperar a água escoar para continuar seu deslocamento;

– Evitar cruzar pontes abaixo das quais o nível do rio esteja subindo.

– Evitar transitar em áreas alagadas, que podem esconder riscos como buracos, bueiros abertos, fiação elétrica exposta e animais peçonhentos.

Nas questões de riscos geológicos:

– Estar sempre vigilante a qualquer movimentação no terreno;

– Se observar aparecimento de fendas ou depressões, rachaduras nas paredes, inclinação de árvores/postes ou surgimento de minas d’água, avisar imediatamente à Defesa Civil e deixar o local;

– Caso a moradia esteja localizada em área de risco alto ou muito alto, buscar abrigo na casa de amigo ou parente que NÃO esteja localizada em área de risco ou no ponto de apoio mais próximo;

– Permanecer na casa de amigo e parente ou em um abrigo de apoio até a Defesa Civil Municipal autorizar o regresso à moradia.

RÁDIO JN

ESTÚDIO AO VIVO

Leia o QR Codes e tenha a Rádio JN a um clique no seu smartphone Android

Baixe o App e tenha a RádioJN a um clique no seu iPhone

Baixe o App e tenha a RádioJN a um clique no seu smartphone Android

Veja as câmeras de monitoramento de Niterói

Siga-me no Twitter

%d blogueiros gostam disto: