NITEROIMAIS

Revista Eletrônica de Niterói

CHN e Dasa organizam flash mobs em Niterói para lembrar que Outubro Rosa é sempre

Dasa, rede de saúde integrada do país, por meio de suas marcas de hospital e oncologia, promoveu na manhã de terça-feira, 12 de outubro, um flash mob simultâneo em lugares icônicos de quatro cidades brasileiras: Parque do Ibirapuera (SP), Calçadão de Copacabana (RJ), Praia de Icaraí (Niterói) e Parque da Cidade (Brasília).

A ação faz parte da campanha #OutubroRosaSempre e tem como objetivo conscientizar a população, especialmente as mulheres, sobre a importância do diagnóstico precoce no enfrentamento do câncer de mama, que é a primeira causa de morte por câncer na população feminina em todas as regiões do Brasil, exceto no Norte, onde o câncer do colo do útero registra a maior taxa de incidência, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca).

O Complexo Hospitalar de Niterói (CHN), que faz parte da Dasa, realizou o flash mob da praia de Icaraí como parte da campanha #OctoberRosaAlways. 

Dirigidos por Marcel Anselmé, que integra o Balé da Cidade de São Paulo, 16 bailarinos se apresentaram sob o som da música A Cor É Rosa, de autoria do musicista Silva, que foi interpretada por Elba Ramalho em uma mixagem especial do DJ Bhaskar. A ativação aconteceu ao ar livre e seguiu todos os protocolos de saúde estabelecidos pelas autoridades sanitárias.

Um levantamento feito pela área de Data Analytics da Dasa apontou que 40 mil mulheres em Niterói e São Gonçalo com idade elegível e indicação clínica para a realização de mamografia deixaram de fazer o exame de rastreio ou para o diagnóstico de câncer de mama no último ano nas unidades da rede.

A análise revela que 91% das niteroienses e 99,1% das moradoras de São Gonçalo podem estar com o acompanhamento atrasado. Nesse contexto, a Dasa estima que mais de 600 casos suspeitos de câncer de mama deixaram de ser rastreados dentro da rede, o que representa 1,7% do universo de mulheres dessas regiões que não realizaram os exames entre agosto de 2020 e de 2021.

Segundo Victor Machado, oncologista do CHN, o diagnóstico precoce pode melhorar o prognóstico da doença e a efetividade do tratamento e diminuir a morbidade associada. “As consequências do atraso no diagnóstico representam um dano em potencial para a saúde feminina, já que os tumores de mama podem progredir de estágio com o passar do tempo. Por isso, fazer o exame para a detecção precoce da doença é essencial e aumenta as chances de cura, que pode chegar a 90%”, afirma o oncologista.

 

%d blogueiros gostam disto: