Católicos em Ação NOTÍCIAS

Bento XVI pede perdão por ‘abusos’ e ‘erros’ do clero e diz que está pronto para enfrentar ‘o juiz final’

O papa emérito Bento XVI, que recentemente foi acusado de ter acobertado casos de pedofilia na época em que era arcebispo, divulgou uma carta nesta terça-feira (8) em que pede perdão por “abusos” e “erros” do clero e afirmou que está pronto para enfrentar “o juiz final da minha vida”.

Bento XVI, que renunciou ao papado em 2013 e está com 94 anos, disse no documento que foi “profundamente prejudicial” ter sido rotulado de mentiroso por causa da sua omissão sobre os abusos, mas que reconhece os “erros ocorridos”.

Um relatório independente publicado em 20 de janeiro deste ano afirma que o então arcebispo Joseph Ratzinger teria acobertado quatro casos de pedofilia na Alemanha mais de 20 anos antes de se tornar o líder da Igreja Católica.

Os abusos aconteceram quando Bento XVI ainda era arcebispo de Munique, e o documento diz que padres pedófilos continuaram na Igreja e Ratzinger não impôs nenhuma restrição explícita às atividades deles nem iniciou qualquer processo interno de investigação.

O relatório também afirma que Ratzinger não teve interesse em falar com as vítimas ou cuidar delas e o máximo que fez foi transferir um dos pedófilos, mas o padre abusador continuou trabalhando na pastoral, com visitas a pessoas da comunidade.

Quatro dias após a divulgação do relatório, Bento XVI admitiu que participou de uma reunião em janeiro de 1980, quando era arcebispo de Munique, sobre um dos padres acusados de abuso sexual de menores.

Em um comunicado, Bento XVI mudou uma declaração anterior, em que dizia que não tinha participado do encontro, e pediu desculpas. O papa emérito também disse na ocasião que o erro não foi cometido por má fé e que sentia vergonha e dor pelo sofrimento das vítimas.

Anseio pela morte
Em outubro de 2021, Bento XVI escreveu em uma carta de condolências que ansiava pela morte.

A mensagem foi enviada a um mosteiro na Áustria, a Abadia de Wilhering, para expressar condolências pela morte de um ex-colega, o padre Gerhard Winkler, professor na instituição católica.

“Agora ele [padre Winkler] chegou no além, onde muitos amigos certamente o estão esperando. Espero poder me juntar em breve”, escreveu Bento XVI.

Winkler morreu no final de setembro, aos 91 anos, e a carta de condolências é datada de 2 de outubro. Na década de 1970, o padre foi professor na Universidade de Regensburg, na Alemanha, junto com Joseph Ratzinger, que mais tarde se tornaria o Papa Bento XVI.

Tags

RÁDIO JN

ESTÚDIO AO VIVO

Leia o QR Codes e tenha a Rádio JN a um clique no seu smartphone Android

Baixe o App e tenha a RádioJN a um clique no seu iPhone

Baixe o App e tenha a RádioJN a um clique no seu smartphone Android

Veja as câmeras de monitoramento de Niterói

Siga-me no Twitter

%d blogueiros gostam disto: