full screen background image




Temer prometeu ajudar empresas no Porto de Santos, diz empresário

Presidente da Rodrimar foi preso na quinta (29) na operação Skala

empresário Antônio Celso Grecco, presidente da Rodrimar, disse à Polícia Federal que, num encontro em Brasília, Michel Temer prometeu ajudar a empresa a resolver uma pendência no Porto de Santos quando ainda era vice-presidente.

A Rodrimar havia vendido um espaço no complexo portuário à Eldorado Celulose, do grupo J&F, mas o governo federal barrara a transferência de mais duas áreas contíguas para a empresa dos irmãos Batista.

Além disso, a obra iniciada pela Eldorado estava atrasada e havia sido embargada pela Codesp (Companhia Docas de São Paulo), estatal que administra o porto.

Grecco disse que, diante disso, esteve em Brasília com “pessoas da Eldorado e tratou diretamente com a Vice-Presidência”, sendo que “foi apresentar o projeto de adensamento [integração das três áreas] para a construção” de um terminal de celulose da Eldorado.

“A resposta do presidente foi simplesmente: vou ver o que vou fazer”, contou Grecco no depoimento. Ele acrescentou que, até hoje, “nada foi feito em relação ao adensamento”.

O empresário foi preso na quinta (29) na operação Skala, que mira amigos de Temer e executivos de empresas portuárias por suposto envolvimento em um esquema de pagamento de propina ao presidente por favorecimento no governo.

O inquérito foi aberto após executivos da JBS, em delações premiadas, lançarem suspeitas sobre Temer. Ricardo Saud afirmou que, após um encontro com Temer, o então vice interferiu em favor da Eldorado.

Relatou que Temer tomou nota dos detalhes e informou que ligaria para a Codesp para resolver a questão. Dias depois, informou, a obra foi liberada.

Saud e outro delator do grupo, Florisvaldo Caetano de Oliveira, disseram ainda que a JBS entregou R$ 1 milhão ao coronel João Baptista Lima, um dos amigos do presidente que estão presos. O destinatário dos recursos seria Temer.

Grecco é apontado pela PF como o principal articulador de empresários do setor portuário de Santos com agentes políticos.

No depoimento, o empresário negou ter relações comerciais com Temer. Acrescentou que não sabe se o presidente se envolveu nas negociações da venda da área da Rodrimar para a Eldorado ou “em relação à solução de algum dos problemas administrativos que surgiram durante ou após a com concretização do negócio”.

Nesta sexta (30), a defesa de Grecco pediu ao Supremo Tribunal Federal um habeas corpus para libertá-lo. A ministra Rosa Weber não admitiu o recurso.




Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: