Óleo santo: Conheça as Lendas do azeite

00Entre as lendas que cercam o azeite de oliva, a que envolve a mitologia grega dá mais pistas de suas qualidades.

Em uma disputa por terras, o deus Possêidon (do mar), com um golpe de seu tridente fez brotar um belo e forte cavalo.

Em reposta, a deusa Palas Atenas (da sabedoria) trouxe uma oliveira, capaz de produzir óleo para iluminar a noite, suavizar a dor dos feridos e ser um alimento precioso, rico em sabor e energia.

E assim foi feito. Na antigüidade, suas funções extrapolavam a culinária: era usado como medicamento, perfume, combustível para iluminação, impermeabilizante de tecido, para untar o corpo contra o frio e até para se jogar quente sobre os invasores dos castelos.

Difícil imaginar tamanho desperdício da iguaria que dá aos pratos sabor inigualável. Sem falar na propriedade antioxidante, que retarda o processo de envelhecimento celular. A extração a frio explica sua característica saudável e a colheita determina o preço. Se você se conscientiza de quanto trabalho duro há detrás de cada litro de azeite, a pergunta pelo alto preço se responde por si mesma. Ou seja, se for muito barato, não é azeite de oliva.

Para não desperdiçar como os antigos, recomendamos a não usar o extra-virgem para cozinhar. “A 70ºC ele perde suas propriedades, é dinheiro jogado fora. Mas para finalizar pratos ou servir à mesa, tem de ser o extra-virgem”, recomenda. Os melhores azeites hoje,  são o português, o espanhol ,o grego e o brasileiro produzido no sul de Minas como o Cardoso& Vasques que começa a chegar ao consumidor brasileiro.

Com vontade de saborear um bom azeite?

A receita do Óleo Santo: em um prato, coloque azeite de oliva extra-virgem, um pouco de pimenta calabresa e sal. Saboreie molhando pedaços de pão italiano no Óleo Santo. Amém!

TIPOS

Extra-virgem – acidez menor que 0,8%

É o azeite de oliva de primeiríssima qualidade, extraído de olivas bem maduras, rigorosamente selecionadas e colhidas à mão com cuidados excepcionais, das quais o suco tem de ser extraído em no máximo 24 horas. Qualquer machucadinho na fruta ou atraso no processo interfere no teor de acidez e de pureza, que determina a qualidade do azeite. As azeitonas são prensadas a frio até virarem pasta e, em seguida, espremidas, também a frio, separando-se então o azeite da água por centrifugação. São necessários aproximadamente 5 kg de olivas para a obtenção de 1 litro de azeite.

Virgem – acidez de 0,8% a 1,5%

É o azeite de oliva extraído de frutas que não apresentam rigorosamente as qualidades e especificações para serem utilizadas para um azeite extra-virgem.

Puro – acidez de 1,5% a 2%

É o azeite de oliva resultante de nova prensagem da pasta que sobrou após a extração do azeite de oliva extra-virgem. É um azeite puro, porém com teor de acidez e de pureza alterados. Tem excelentes qualidades, porém inferiores às do azeite de oliva extra-virgem.

Fino – acidez acima de 2%
Adquirido através de nova prensagem do bagaço resultante do processo de extração do azeite de oliva puro, utilizando-se ainda de métodos auxiliares, como calor e lavagem para obtenção de melhores resultados. O sabor fica fortemente alterado, adicinando-se em geral 10% a 15% de azeite de oliva extra-virgem para melhorar o sabor final do produto.

Azeite de oliva

Muito comum de ser encontrado nas prateleiras dos supermercados e nas mesas restaurantes e lares do Brasil. Trata-se na maioria da vezes de outros tipos de óleos vegetais, como o de soja, ao qual é adicionada pequena quantidade de azeite de oliva (normalmente do tipo puro ou fino) para dar um leve sabor de oliva. Deveria ser chamado de óleo com sabor de oliva.

Broinhas de azeite

Ingredientes

350 g de fubá de milho
250 g de farinha de trigo
200 g de açúcar
10 g de canela em pó
10 g de erva-doce em pó
150 ml de azeite de oliva quente
100 ml de água
Óleo de canola
Açúcar de confeiteiro para polvilhar

Modo de Preparo

Misture bem os cinco primeiros ingredientes e por último junte o azeite de oliva quente e a água, misture bem e frite em óleo de canola bem quente. Peneire o açúcar de confeiteiro nos bolinhos ainda quentes. Se quiser que o sabor fique ainda mais intenso, frite as broinhas em azeite.




Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: