Produção de azeite na Serra da Mantiqueira terá recorde neste ano

Um dos maiores importadores de azeite do mundo, o Brasil vem conseguindo conquistar o mercado interno com a produção nacional. Pioneiros na fabricação da iguaria no país, os municípios da Serra da Mantiqueira – maioria em solo mineiro – devem ter safra recorde este ano e produzir a maior quantidade do óleo vegetal extravirgem da história.

A expectativa é colher 400 toneladas de azeitonas e entregar 40 mil litros de azeite, quase o dobro da safra passada, mas ainda assim uma pequena escala, o que impacta diretamente no preço. Comercializados geralmente em embalagens de 250 ml, os azeites mineiros custam a partir de R$ 40 e só são encontrados em empórios e lojas especializadas.

Existem no mercado cerca de 20 marcas mineiras de azeite, vendidas no Estado e em São Paulo

De acordo com o pesquisador Luiz Fernando de Oliveira da Silva, coordenador do Programa de Olivicultura da Epamig em Maria da Fé (Sul de Minas) – berço dessa atividade no Estado –, o aumento da produção deve ser gradativo porque tem relação direta com a maturidade da planta. O desenvolvimento de tecnologias também ajuda.

“Trabalhamos para solucionar problemas pontuais, criando mudas de melhor qualidade, variedades adaptadas às nossas condições climáticas e técnicas corretas de manejo da planta”, enfatiza o pesquisador da empresa governamental de pesquisa, apostando no aumento exponencial das próximas safras.

As azeitonas são colhidas em fevereiro e março, quando são produzidos e vendidos os azeites

Diferencial

O foco dos produtores de azeite da Mantiqueira é a qualidade do produto. “A concorrência acontecerá não pela quantidade produzida, mas pela qualidade do produto feito aqui”, observa o pesquisador.

Produtor e presidente da Associação dos Olivicultores dos Contrafortes da Mantiqueira (Assoolive), Carlos Diniz explica que o diferencial do azeite fabricado na região é o frescor.

A produção em menor escala garante um óleo mais jovem e, portanto, mais saboroso e rico em propriedades que acentuam o sabor, por exemplo. “Fazemos a extração de forma rápida e partimos para a comercialização em seguida. O mesmo não acontece com produtos importados. Essa é a vantagem em relação ao sabor e aos aromas”, detalha.

A quantidade de azeitona para fabricar azeite depende do clima. Em média, são dez quilos de fruto para cada litro do óleo. Em Minas estão concentradas 40 das 60 cidades da Serra da Mantiqueira, que se estende ainda por Rio e São Paulo 

Sobra da produção vira cuidado natural com a pele

A produção de azeite na Mantiqueira tem impulsionado a fabricação de outros derivados do fruto. Em Maria da Fé, no Sul de Minas, os resíduos da indústria do óleo vegetal e as sementes de azeitona trituradas deram origem ao ganha-pão da farmacêutica Vânia Gonçalves, que viu no produto abundante na região um nicho de negócio.

Há cerca de três anos, ela criou a Saboaria Jardim Secreto, onde produz de forma artesanal sabonetes esfoliantes e hidratantes e aromatizadores de ambiente. Todo mês, a matéria-prima adquirida sem custos da Epamig dá origem a uma média de 50 sabonetes de 100 gramas, vendidos a R$ 8 cada unidade. A farmacêutica já planeja abrir uma loja.

100% NATURAL – Em Maria da Fé, resíduos da fabricação de azeite e da trituração da semente da azeitona dão origem a sabonetes e aromatizadores de ambiente

“Na Europa, onde a produção de azeitonas é muito intensa, já se utiliza esses resíduos para fabricação de cosméticos. Além de antioxidante, o fruto é rico em vitaminas E e C, ajuda a clarear a pele e a estimula a renovação celular. Todos os insumos que uso são 100% naturais e não agridem o meio ambiente”, detalha Vânia, que está patenteando a fórmula.

No próximo dia 24 acontece o 12º Dia de Campo de Olivicultura, no Campo Experimental da Epamig em Maria da Fé. O evento reunirá pesquisadores, técnicos, olivicultores e empresários interessados no setor.

Quase todo a produção de azeitonas da Serra da Mantiqueira é voltada para o processamento de azeites finos, classificados como gourmet; as plantas se tornam mais produtivas a partir dos quatro anos e atingem o pico da maturidade entre dez e 12 anos

TOP DE LINHA – Cor esverdeada e frescor são características mais marcantes da safra da Mantiqueira

Além disso

A fartura do fruto da oliveira tem sido incremento e tanto na produção dos chocolates fabricados pela doceira Ana Lúcia Ribeiro Silva, sócia-proprietária da Chocolate Tentação, em Maria da Fé. Há 15 anos, ela produz artesanalmente barras de chocolate, ovos de Páscoa, bolos e doces. Há quatro, descobriu um ingrediente inusitado que tornaria as receitas diferentes de tudo o que já havia visto: o azeite.

O ingrediente é misturado ao cacau e dá origem a barras maciças, com sabor acentuado do óleo. “Fui convidada para participar de um festival gastronômico na cidade e tive que inventar alguma coisa para levar, já que meu prato era doce. Sabia do uso de óleo de canola para afinar o chocolate, então tive a ideia de substituí-lo pelo azeite”, conta, relembrando a origem da receita exótica. A invenção deu tão certo que ela recebe encomendas até de turistas.

As azeitonas, além de darem origem ao tradicional azeite, são matéria-prima usada para curar queijos e adubar bonsais da planta. O trabalho é realizado por Marcelo Bonifácio, proprietário da Fazenda Maria da Fé. Desde 2015, quando adquiriu a propriedade, ele fabrica o óleo extravirgem, usado também nos queijos, e utiliza o resíduo da produção: o bagaço da azeitona vira composto orgânico para adubação.

FONTE:
Patrícia Santos Dumont
Jornal Hoje em Dia



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *