Manifestantes e polícia entram em conflito em frente à Assembleia do RJ

Manifestantes bloquearam várias vias da cidade. Segundo o Centro de Operações da prefeitura, há bloqueios na Avenida Radial Oeste, Linha Vermelha, Avenida Dom João VI, Avenida Abelardo Bueno, Via Expressa do Porto e Túnel Marcello Alencar. A cidade do Rio de Janeiro entrou em estágio de atenção às 6h50 por causa dos bloqueios no tráfego. No início da noite, pelo menos sete ônibus foram incendiados por manifestantes no centro do Rio.

Manifestantes saíram do Largo do Machado em direção ao Palácio Guanabara, em Laranjeiras, sede do governo estadual, para participar de um ato liderado pelo Movimento Unificado dos Servidores Públicos do Rio (Muspe). Eles protestam contra a crise financeira no estado, que tem reflexos na prestação dos serviços essenciais à população e atraso no pagamento do salário dos servidores públicos.

Trens e metrô operam normalmente. Os ônibus urbanos funcionam parcialmente, mas segundo a concessionária Rio Ônibus, o sindicato das empresas de ônibus, a maior parte da frota está nas ruas. Os serviços de BRT de ônibus expressos, como a Transcarioca, a Transoeste e a Transolímpica, também funcionaram. A concessionária informou que a operação ficou irregular em alguns momentos devido às manifestações.

Sobre o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), a circulação na Linha 1, que faz ligação entre a Rodoviária Novo Rio e o Aeroporto Santos Dumont, ficou parcialmente interrompida e os bondes circulam apenas entre a rodoviária e a parada dos museus, na Praça Mauá, zona portuária da cidade. A Linha 2, que faz o trajeto Saara – Praça Quinze, não estava operando.

Na Rodoviária Novo Rio, houve enfrentamento entre a tropa de choque da Polícia Militar e manifestantes, que bloquearam a via expressa do Porto do Rio. Para dispersar os manifestantes, a Polícia Militar usou bombas de efeito moral. Os manifestantes reagiram, atirando pedras e quebraram o vidro traseiro de uma patrulha da PM. Em seguida, a manifestação fechou o acesso junto ao antigo Gasômetro, evitando a passagem dos motoristas em direção à Avenida Francisco Bicalho. O bloqueio foi rápido e a tropa de choque da Polícia Militar dispersou os manifestantes.

Confronto – A Polícia Militar e manifestantes entram em confronto durante a tarde desta sexta-feira em frente ao prédio da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). Os policias usaram bombas de efeito moral e spray de pimenta para dispersar um grupo de manifestantes que estava no local.

O grupo já se preparava para deixar a região, rumo ao ato principal de protesto, que foi realizado na Cinelândia no final do dia, quando, por volta das 16h15, alguns manifestantes provocaram os policiais militares que estavam na Alerj.

Os manifestantes jogaram pedras e representantes de indígenas, que também participam do protesto, ameaçaram os policiais com flechas. Um mascarado jogou um coquetel molotov contra os policiais, dando início à confusão em frente à Alerj, na Rua 1º de Março.

Enquanto isso, a maioria dos manifestantes seguiu pacificamente para a Cinelândia.

Nesta sexta, centrais sindicais convocaram uma greve geral em protesto contra as reformas trabalhista e da Previdência. Em várias capitais, trabalhadores de diversas categorias não trabalharam, e vias e rodovias foram bloqueadas.




Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: