Festa e igualdade na despedida dos campeões

00Na despedida dos campeões nacionais de 2013, os dois times tiraram inspiração na homenagem póstuma a Nelson Mandela, ícone da luta pela igualdade racial na África do Sul, e fizeram sua própria igualdade no Maracanã. Apesar da troca de amizades antes do jogo ter sido ameaçada por duas expulsões ainda na etapa inicial, o Flamengo não passou em branco no reencontro com a torcida após o título da Copa do Brasil e abriu o placar com Hernane. O Cruzeiro, que veio com apenas Bruno Rodrigo do time titular, não se intimidou e foi buscar o empate na etapa final, com Souza, chegando perto até de virar o marcador.

O jogo

O clima de festa ficou na troca de faixas entre as duas equipes, que ainda tiraram uma fotografia juntas antes da partida começar. Quando a bola rolou, tanto Flamengo contra o Cruzeiro mostraram que estavam levando a última rodada a sério. Depois do primeiro minuto com passes entre os dois lados, em mais um protestos organizado pelo Bom Senso F.C. em busca de mudanças no calendário do futebol brasileiro, o time rubro-negro partiu para o ataque, tendo em Paulinho sua válvula de escape. Aos 6 minutos, o atacante arrancou em diagonal do lado esquerdo e finalizou perto da trave de Rafael. Aos 10, Paulinho tabelou com Hernane, deixou Bruno Rodrigo na saudade e driblou até o goleiro antes de chutar para o gol aberto, mas Éverton apareceu em cima da linha para evitar o gol.

Só que aos 14 minutos não teve jeito. Nixon recebeu de Léo Moura no lado direito e cruzou na segunda trave para Hernane. Com espaço, o Brocador não perdoou: cabeceou no canto esquerdo e ainda viu a bola tocar na trave antes de estufar as redes. Quase dez minutos depois do gol, o Flamengo perdeu Paulinho lesionado e viu o Cruzeiro começar a gostar do jogo. Aos 23, Luan invadiu a área cara a cara com César e chutou forte, mas o terceiro goleiro – o titular Felipe teve as férias antecipadas e Paulo Victor foi vetado por problema dentário – espalmou à queima-roupa. Aos 36 minutos, Julio Baptista cabeceou prensado pela zaga e o zagueiro Léo chutou o rebote na entrada da pequena área, mas César novamente pegou no reflexo.

No final da primeira etapa, os times mostraram que talvez estivessem levando o jogo a sério até demais. Primeiro, aos 38 minutos, Luiz Antônio e Luan se agarraram junto à linha lateral e o árbitro advertiu ambos com cartão amarelo. No minuto seguinte, Carlos Eduardo armava contragolpe para o Flamengo quando foi derrubado no círculo central por Éverton, que ainda segurou a bola impedindo que os rubro-negros cobrassem a falta rapidamente. Carlos Eduardo não gostou e empurrou o lateral cruzeirense, iniciando um princípio de confusão que terminou com cartão vermelho para os dois jogadores, que saíram de campo trocando ameaças. O Cruzeiro ainda teria nova chance de empatar aos 42 minutos, quando Mayke tentou encobrir César, viu a bola tocar caprichosamente no travessão e furou o rebote com o goleiro rubro-negro caído.

Cruzeiro domina no segundo tempo e chega ao empate

O Cruzeiro voltou melhor na segunda etapa e ganhou o meio-de-campo, forçando o Flamengo a se apoiar nos contragolpes. Aos 10 minutos, Vinícius Araújo recebeu de Mayke em profundidade e cruzou na segunda trave para Luan emendar de voleio por cima do gol. Mais dez minutos foi o que aRaposa precisou para empatar o jogo. Tinga iniciou a jogada dando um balão em Chicão e entregou na esquerda com Souza, que limpou Luiz Antônio e Diego Silva antes de disparar um chutaço da entrada da área, achando o ângulo esquerdo de César, que desta vez nada pode fazer.

A equipe celeste seguiu no ataque e criou ótimas chances para virar a partida. Aos 24 minutos, Luan também experimentou após arrancada pelo meio e acertou a trave direita de César. No minuto seguinte, Julio Baptista foi derrubado na intermediária e cobrou a falta por cima da barreira, obrigando César a subir no ângulo para fazer a defesa. O goleiro, que no lance foi aplaudidou até pelo rival cruzeirense, seria ovacionado pela torcida no fim do jogo por suas defesas salvadoras.

Antes do apito final, Mayke ainda tentaria uma última jogada de linha de fundo, aos 33 minutos, mas Léo Moura fez corte providencial. Com o empate, o Cruzeiro chega aos 76 pontos e não consegue superar o São Paulo de 2007, recordista na era de pontos corridos com vinte equipes, que há seis anos somou 78 pontos. Já o Flamengo manteve a lua de mel com a torcida na despedida de 2013.

Veja os gols

FICHA TÉCNICA:
Flamengo: César, Léo Moura, Marcos González, Samir (Chicão) e André Santos; Amaral (Diego Silva), Luiz Antônio, Carlos Eduardo e Nixon; Paulinho (Bruninho) e Hernane.
Cruzeiro: Rafael, Mayke, Léo, Bruno Rodrigo e Éverton; Leandro Guerreiro (Élber), Souza, Tinga (Lucas Silva) e Julio Baptista; Luan e Vinícius Araújo (Lucca).

CARTÕES AMARELOS: Vinícius Araújo (19′), Léo Moura (24′), Luiz Antônio (38′), Luan (38′), Bruno Rodrigo (44′), Julio Baptista (87′)
CARTÕES VERMELHOS: Éverton (39′) e Carlos Eduardo (39′)
PÚBLICO PRESENTE: 41.272




Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: