Documento foi assinado nesta terça-feira entre chineses e a Petrobras pode ajudar retomada do Comperj

O setor petroleiro ganhou um novo fôlego nesta terça-feira (4). A Petrobras iniciou uma parceria com a CNPC, corporação integrada de óleo e gás da China, para alavancar a área. Segundo a estatal, esse acordo é estratégico para o Plano de Negócios e Gestão 2017-2021, que inclui a construção da Unidade de Processamento de Gás Natural. Paralelamente, o prefeito de Niterói e presidente do Conleste, Rodrigo Neves, anunciou a criação de um plano estratégico de desenvolvimento a partir da retomada das obras do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), em Itaboraí, paralisadas desde 2014.

Segundo informações publicadas no jornal O Globo, um executivo ligado às negociações confirmou que a conclusão da construção do Comperj será possível diante dessa nova parceria anunciada pela Petrobras. No entanto, a notícia não foi confirmada pela estatal.

Uma nota publicada pela Petrobras informa que um Memorando de Entendimento foi assinado nesta terça entre o presidente Pedro Parente, o vice-presidente da CNPC e o presidente da PetroChina, Wang Dongjin, em Beijing, na China. Essa medida significa o início das tratativas dessa parceria.
“A partir desse Memorando de Entendimento, as empresas se comprometem a avaliar, conjuntamente, oportunidades no Brasil e no exterior em áreas-chave de interesse mútuo, beneficiando-se de suas capacidades e experiências em todos os segmentos da cadeia de óleo e gás, incluindo potencial estruturação de financiamento”, dizia o comunicado da Petrobras.

De acordo com a estatal, a parceria estratégica tem como benefícios potenciais o compartilhamento de riscos, o aumento da capacidade de investimentos na cadeia de óleo e gás, o intercâmbio tecnológico e o fortalecimento da governança corporativa.

“Para a Petrobras, a realização de parcerias é uma estratégia importante do Plano de Negócios e Gestão 2017-2021. Para a CNPC, a parceria com a Petrobras reforça seu interesse em investir e aumentar suas atividades no Brasil”, mencionou a nota, citando o plano de negócios que prevê a construção da Unidade de Processamento de Gás Natural.

Essa parceria entre a CNPC e a Petrobras acontece desde 2013, porém na área de Libra, primeiro contrato pelo regime de partilha de produção no pré-sal da Bacia de Santos.

Repercussão – Para Rodrigo Neves, que passou a presidir o Conleste, a retomada das obras do Complexo Petroquímico é essencial para recuperar a arrecadação de ISS dos municípios que vêm sofrendo com a crise financeira desde que o Comperj foi paralisado.

“Esse anúncio representa um alento, pois esse projeto, no contexto da crise mais geral do país, pode melhorar um pouco a situação dos municípios, além da importância que o Comperj tem para o Rio de Janeiro, no sentido de agregar mais valor ao petróleo que é produzido aqui e à economia do Estado que está cambaleante”, declarou Rodrigo Neves.

Segundo ele, na última sexta-feira, uma reunião em Friburgo definiu um plano estratégico em parceria com o setor privado para recuperar investimentos. As medidas serão apresentadas no segundo semestre.

“Nosso objetivo é viabilizar arranjos produtivos locais, criar um ambiente favorável a investimentos e negócios para aproveitar a retomada das obras do Comperj e viabilizar a geração de emprego e renda nos municípios a partir desse segundo semestre”, explicou o prefeito de Niterói e presidente do Conleste.




Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: