Dezesseis PMs dos batalhões de São Gonçalo, Niterói e Itaboraí são presos

Dezesseis PMs acusados de envolvimento com traficantes de drogas de São Gonçalo, Niterói e Itaboraí, foram presos, ontem, durante operação do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Rio (MP), junto com a Corregedoria e a Coordenadoria de Inteligência da PM. De acordo com o MP, 12 policiais são do 12ºBPM (Niterói), dois do 7ºBPM (SG), um do 35ºBPM (Itaboraí) e outro do Batalhão de Choque. Foram cumpridos mandados de prisões contra traficantes, em várias comunidades da região.

A operação denominada Dark of the City começou nas primeiras horas da manhã, quando foram cumpridos 16 dos mandados de prisões. Entre outros crimes, os policiais são acusados de vender armas apreendidas para os próprios bandidos, além de extorsões durante as incursões, e cobrança de taxas (arrego) para que a venda de drogas não fosse interrompida. Dos PMs presos, sete são sargentos, cinco são cabos e quatro são soldados, sendo que quatro já estavam presos desde junho, na operação Calabar, que levou para a prisão 96 policiais do 7ºBPM.

Segundo o MP, entre os presos estão três informantes da PM, um deles atuava como fotógrafo durante as operações policiais. Os PMs presos são acusados de se ‘associarem’ e extorquirem traficantes das comunidades do Sapê, Badu, Largo da Batalha, Morro da Cocada, Bromélia, Morro do Céu, Barraca Azul, Caju, Ponte Amarela, Mirante, Lajão e Complexo do Caramujo, todas em Niterói; além de favelas de São Gonçalo e Itaboraí. As investigações começaram a partir de inquérito da Corregedoria da PM.

Saldo – Durante a operação, houve confronto no Morro da Grota e no Complexo da Viradouro, na Zona Sul de Niterói, onde um suspeito foi morto, outro baleado e oito presos. Foram apreendidas nove armas, munições, seis celulares, sete radiotransmissores, um lança-rojão artesanal, três toucas ninjas, além de certa quantidade de droga.

Buscas – Um dos PMs alvo da operação morava na Rua Grécia, em Maria Paula, e outro na Rua Olegário Alves, em Pendotiba, onde os agentes chegaram por volta dfe 6h. Conforme as investigações, o traficante Pedro Paulo Matheus Gremion, o Sagaz, mesmo preso em Bangu 3, continuava dando ordens, em favelas de Niterói, inclusive para o pagamento do ‘arrego’ aos PMs.

Os policiais presos são acusados de organização criminosa para a prática de tráfico de armas, corrupção passiva, prevaricação, receptação e porte ilegal de arma de fogo de uso restrito.




Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: