Delação de Jacob Barata já assusta prefeitos

Preso há dez dias pela Operação Ponto Final, o empresário Jacob Barata Filho já negocia sua delação premiada, segundo O Globo.
Ele poderá explicar todo o esquema que desviou centenas de milhões de reais do transporte público do Estado do Rio e beneficiou também Sérgio Cabra e também prefeitos dos munícios fluminenses.

EM NITERÓI

Em Niterói, o João Barata Filho é dono da “Pendotiba Empreendimentos Imobiliários Ltda” e “Guanabara Participações e Empreendimentos Imobiliários Ltda”. E é exatamente o mesmo Barata que responde legalmente pelo Consórcio TransOceânica, que ganhou uma licitação com nada menos que R$ 310 milhões da prefeitura de Niterói.

A Viação Pendotiba , a Araçatuba e a Braso Lisboa, são presididas por Jacob Barata e vinculada ao Grupo Guanabara, proprietários ainda do Banco Guanabara,  e cerca de vinte empresas de ônibus urbanos e interurbanos  no estado do Rio de Janeiro.O grupo, sozinho, monopoliza uma frota de mais de 6.000 ônibus e 20.000 funcionários.

“Rei do Ônibus”, Barata sonegou R$ 17,6 milhões em paraíso fiscal do HSBC

Jacob Barata é conhecido como o “Rei do Ônibus” no Rio de Janeiro e ficou famoso por ser o principal dos 31 nomes brasileiros citados no vazamento de informações do Banco HSBC, popularmente conhecido como “Swiss Leaks”. Segundo os documentos publicados, Barata e sua família possuíam uma conta conjunta em paraíso fiscal que somava U$ 17,6 milhões (dólares) entre os anos de 2006 e 2007.

O Swiss Leaks revelou também que o dono da empresa Braso Lisboa, que faz a linha 740-D de Charitas (Niterói) até Ipanema (Rio de Janeiro), Generoso Martins das Neves possuía U$ 3,3 milhões (dólares) no mesmo paraíso fiscal do HSBC utilizado por Barata. No total, empresários do transporte no Brasil somavam R$ 109 milhões livres de qualquer tipo de imposto.

Prefeitura de Niterói alega não fiscalizar empresas

A CPI dos ônibus da Câmara  dos Vereadores de Niterói, apontou no ano passado que além das empresas apresentam gastos exagerados para justificar aumento das passagens, as receitas extras, vindas de serviços como publicidade, não são contabilizadas, e muito provavelmente o lucro das empresas é ainda maior do que o oficialmente declarado à prefeitura.

Para piorar a situação, a prefeitura de Niterói alegou na CPI não possuir nenhum tipo de mecanismo para fiscalizar os números declarados.

 

Fontes:

Relatório em separado para a CPI dos Transportes Coletivos
https://cpidostransportes.files.wordpress.com/2013/12/cpi-dos-transportes.pdf

Banco Guanabara
http://www.bancoguanabara.com.br/institucional/o-grupo-guanabara/

Constran Engenharia
http://www.constran.com.br/contratodetalhes.php?idcontrato=117

Carta Capital
http://www.cartacapital.com.br/internacional/empresarios-de-onibus-do-rj-tem-109-milhoes-de-reais-em-contas-do-hsbc-2532.html

Outras Palavras
http://outraspalavras.net/blog/2014/05/18/rio-bomba-relogio-no-transporte-coletivo/

Estadão

http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,lista-do-hsbc-inclui-jacob-barata-o-rei-dos-onibus-do-rio,1639357




Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: