Botafogo vence o Fluminense em clássico na Ilha

A fase do Botafogo mudou em apenas três dias. Desde a goleada para o Cruzeiro por 5 a 2, o Alvinegro conseguiu renovar seu ânimo e reencontrar no Brasileirão o seu bom momento na temporada. Nesta quarta-feira, o Glorioso derrotou o Fluminense por 1 a 0, no Luso-Brasileiro, e chegou a quarta vitória nos últimos cinco jogos na competição.

O responsável por garantir mais um triunfo para o Botafogo foi Neilton. Na melhor oportunidade na partida, o atacante não desperdiçou a chance que teve e com um toque simples de esquerda balançou as redes e fez a torcida alvinegra explodir na Ilha.

Com a vitória, o Botafogo sobe para a primeira parte da tabela e chega ao 10º lugar com 32 pontos conquistados. No próximo domingo, o Glorioso viaja para encarar o cruzeiro, às 16h, no Mineirão.

Já o Fluminense perde a oportunidade de se aproximar ainda mais na briga pelo G-4. A equipe fica estacionada na 8ª colocação com 34 pontos conquistados. Na próxima segunda-feira, o Tricolor tem uma parada dura pela frente contra o Atlético-MG, às 20h, em Edson Passos.

O JOGO

Desde o início, as equipes encontraram dificuldade para articular. O Botafogo mantinha uma postura mais defensiva, buscando o contra-ataque, enquanto o Fluminense ficava com a bola. Mas a boa marcação sobre Gustavo Scarpa deixou o time tricolor pouco criativo. De destaque nos primeiros minutos, somente dois belos chapéus aplicados por Cícero.

Com tanta dificuldade de criação de ambos os lados, o primeiro susto saiu de um lance fortuito. Wellington avançou pela esquerda e tentou um cruzamento, torto. A bola tomou a direção do gol, encobriu Sidão e tocou na trave.

Mas a disputa era mesmo no meio de campo. Com muitos chutes e faltas, o jogo ficou nervoso e os ânimos esquentaram após entrada de Pierre em Diego. Pouco depois, Diego Cavalieri se tornou baixa para o Fluminense, graças a uma lesão. Júlio César o substituiu.

Mesmo sem grande ímpeto ofensivo, o Botafogo também acertou uma bola na trave antes do intervalo. Aos 38 minutos, após lançamento de lateral para a área que a defesa tricolor não conseguiu afastar, Camilo girou sobre a marcação e soltou uma bomba que explodiu no travessão.

Os dois times voltaram do vestiário querendo mudar o panorama da partida. E até imprimiram um ritmo mais veloz. O Botafogo esboçou uma pressão e conseguiu a abertura do placar logo aos quatro minutos. A jogada começou novamente de um lateral, cobrado por Diogo Barbosa. Sassá cruzou da direita, Bruno Silva tentou dominar e Henrique se atrapalhou. Neilton aproveitou e, de frente para o goleiro, desviou para marcar.

O gol acordou o Fluminense, que não demorou a responder. Após boa jogada de Gustavo Scarpa pela esquerda, Cícero ficou com a sobra e rolou para William Matheus, que acertou a trave aos 14 minutos.

O cenário do primeiro tempo era ainda mais claro. Precisando do gol, o Fluminense dominava o campo de ataque e tentava o gol abusando das jogadas pelos lados de campo. O Botafogo buscava um contra-ataque para ampliar. E ele quase aconteceu aos 18, quando Sassá bateu forte e Júlio César defendeu.

A defesa alvinegra levava clara vantagem sobre o ineficaz sistema ofensivo tricolor. Não raramente, Gustavo Scarpa e Cícero buscavam jogo na altura do meio de campo, mas comandavam uma série de passes laterais, sem qualquer perigo para o adversário. Com isso, o Botafogo deixava a posse toda com o adversário, que não ameaçava.

A esperança do Fluminense era buscar o gol no sufoco, e por isso Magno Alves entrou na vaga de Pierre. Mas se no fim de semana o veterano de 40 anos resolveu na vitória sobre o Figueirense, desta vez quase não pegou na bola. Ainda teve boa oportunidade aos 49, mas chutou para fora da entrada da área.

FICHA TÉCNICA

BOTAFOGO 1×0 FLUMINENSE

Estádio: Arena Botafogo
Público e Renda: 9.211 pagantes/ 10.156 presente / R$ 323.060,00
Árbitro: Rodolpho Toski Marques
Gols: Neilton (Botafogo, aos 4′ do 2ºT)
Cartões Amarelos: Joel Carli, Diego, Sidão (Botafogo) e Pierre, Edson (Fluminense)
Cartões Vermelhos:

BOTAFOGO: Sidão; Diego (Marcelo), Joel Carli, Emerson Silva e Diogo Barbosa; Airton (Victor Luís), Bruno Silva, Dudu Cearense e Camilo; Neilton e Sassá (Vinícius Tanque); Técnico: Jair Ventura

FLUMINENSE: Diego Cavalieri (Júlio César); Wellington Silva, Gum, Henrique e William Matheus; Pierre (Magno Alves), Edson (Douglas), Cícero e Gustavo Scarpa; Wellington e Samuel; Técnico: Levir Culpi




Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: