full screen background image




Bahia e Vasco não saem do zero no placar

00Na Fonte Nova, Bahia e Vasco destoaram de uma rodada bastante movimentada e ficaram no empate sem gols. O resultado é particularmente sentido pelo time carioca, que levou mais perigo mas ainda assim segue afundado na zona de rebaixamento. Apesar das queixas da torcida, o tricolor baiano sentiu o cansaço da viagem à Medelín no meio de semana.

O 1º tempo foi de muita irritação para a torcida do Bahia. O tricolor baiano não conseguia se livrar da marcação do Vasco, que recuava todos os seus jogadores para trás do meio de campo, fazendo o time da casa abusar dos passes laterais. Bem encaixado na defesa, o time carioca dobrava a marcação e tentava sair no contra-ataque à base de passes longos. Logo aos 4 minutos, uma jogada despretensiosa assustou a torcida do Bahia: Lomba foi acompanhando um lançamento sair pela linha de fundo e foi surpreendido pela chegada em velocidade de Edmilson, que tomou a frente mas chutou sem ângulo. Em mais uma roubada de bola vascaína, aos 10 minutos, Dakson viu Marcelo Lomba adiantado e arriscou do meio-de-campo, obrigando o goleiro a jogar para escanteio. O mesmo Dakson se aventurou à frente quatro minutos depois, mas chutou fraco após roubar a bola da defesa.

Aos 20 minutos, quando a impaciência da torcida ficava cada vez mais clara, o Bahia teve sua primeira boa chance. Fernandão desviou de costas uma falta cobrada por Marquinhos Gabriel, mas a bola foi no meio do gol. O Bahia passou a tentar resolver em jogadas individuais pela esquerda, com Marquinhos Gabriel e Raul, mas não surtiu muito efeito. O Vasco seguia mais perigoso, concentrando ações pela esquerda. Aos 40 minutos veio uma grande chance: Pedron Ken puxou contra-ataque e cruzou rasteiro para Juninho, que não conseguiu alcançar a bola. No último lance de perigo da primeira etapa o Vasco subiu com três jogadores contra dois zagueiros do Bahia, mas Fágner errou um passe simples para Juninho.

No intervalo, o técnico Cristóvão decidiu dar um gás no Bahia: trocou o lateral-direito Madson pelo atacante Wallyson, deslocando Fabrício Lusa para a função. O resultado foram dez minutos de pressão na defesa vascaína, com rápidas trocas de passe para furar o bloqueio. De chances reais, no entanto, apenas um cruzamento de Fabrício que encontrou Marquinhos Gabriel livre na segunda trave, mas o atacante chutou em cima de Diogo Silva. O Vasco tratou de responder no minuto seguinte, com um cruzamento de Edmilson escorado por Dakson para Juninho, que acabou bloqueado na pequena área de Lomba.

A segunda mexida do Bahia, estreando Wangler no lugar de William Barbio, voltou a animar o tricolor, obrigando o cruzmaltino a cometer faltas atrás de faltas. Só que, ainda assim, o contra-ataque vascaíno rendia as melhores chances do jogo. Em um desses lances, aos 29, André subiu em velocidade e ganhou de Titi, mas tentou um chute cruzado ao invés de servir Willie no meio da área. O Bahia respondeu com um chute por cima de Wallyson, no minuto seguinte, após boa jogada de Marquinhos Gabriel.

Com as saidas de Dakson e Marquinhos Gabriel, faltando dez minutos para o fim, o jogo perdeu seus últimos resquícios de criatividade. Fernandão e Wangler ainda ameaçaram a meta de Diogo Silva, mas nos minutos finais foi o Vasco que chegou mais perto do gol. Fillipe Souto cobrou falta por cima do gol de Lomba aos 43, e um minuto depois foi a vez de Edmilson exigir boa defesa do goleiro baiano após completar cruzamento de primeira. No fim das contas, não dá pra dizer que o empate ficou ruim para o Bahia, que foi mais ameaçado o jogo inteiro. Já o Vasco tem motivo em dobro para ficar insatisfeito: além de ter jogado melhor, o único ponto mantém o time na zona de rebaixamento.

Ficha Técnica
Bahia 0x0 Vasco

Local: Arena Fonte Nova, Salvador (BA).
Data: 29/09/2013.
Horário: 16 horas.
Árbitro: Wilson Luiz Seneme (SP).
Auxiliares: Emerson Augusto de Carvalho (SP) e Celso Barbosa de Oliveira (SP).
Cartão amarelo: Lucas Fonseca e Wallyson (BAH); Yutón, Fagner e Fillipe Soutto (VAS).

Bahia: Marcelo Lomba, Madson (Wallyson), Titi, Lucas Fonseca e Raul; Feijão, Hélder, Fabrício Lusa e Marquinhos Gabriel (Diones); Willian Barbio (Wangler) e Fernandão – Técnico: Cristóvão Borges.

Vasco: Diogo Silva, Fagner, Cris, Jomar e Yotún; Fillipe Soutto, Pedro Ken, Juninho (André) e Dakson (Jhon Cley); Marlone (Wille) e Edmilson – Técnico: Dorival Júnior.




Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: